“O problema é o Coração” (2)

“Somos de Deus por causa de Sua vontade!”
31 de maio de 2019
“Senhor, és o meu maior desejo!”
2 de junho de 2019

“O problema é o Coração” (2)

Jesus disse: “O que sai do homem o torna impuro” (Mc 7.20). O exterior revela o que ocupa o interior do homem. E o problema não é questão de ser bom ou não, mas a inclinação ao pecado. O diagnóstico do homem sobre si mesmo é errado e conduz a fins trágicos, pois ele se vê sob a perspectiva do pecado. E, se há coisa que o ser humano tem a tendência, é de não considerar errado. Sempre, em seu julgamento, ele se considera certo.

Todavia, o diagnóstico de Deus é o oposto. “O Senhor olha dos céus para ver os filhos dos homens, para ver se há alguém que tenha entendimento, alguém que busque a Deus. Todos se desviaram, igualmente se corromperam; não há ninguém que faça o bem, não nem um sequer” (Sl 14.2-3).

O coração é enganoso. “Quem poderá dizer: Purifiquei o coração; estou livre do meu pecado”? (Pv 20.9). Nenhum pecador, por si mesmo, jamais pode dizer que não tem problemas com seu coração. Nunca deveríamos nos iludir quanto ao nosso coração, pois ele é enganoso.

O ponto de Jesus é que o que torna o homem impuro é o que sai de dentro do seu coração. Um engano que cometemos frequentemente é nos considerar puros, mas não é o que as Escrituras Sagradas nos dizem. E o problema é que, não apenas damos colhida aos pecados, mas os nutrimos em nosso coração. Portanto, não é que vemos e ouvimos, mas dar acolhida e nutrir os pecados no coração. Há uma luta e somos advertidos a fazer morrer nossa velha natureza: “Assim, façam morrer tudo o que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus e a ganância, que é idolatria” (Cl 3.5).

Tudo o que sai do coração é porque está dentro, faz parte dele e, por isso, torna o coração impuro. O Senhor Jesus toca no ponto central do problema do coração, ou seja, as intenções dos pensamentos. Os religiosos nos tempos de Jesus olhavam apenas para o exterior, para a observância do ritualismo das cerimônias de purificações, crendo que isso era o importante. Jesus disse à multidão: “Ouçam-me todos e entendam isto: Não há nada fora do homem que, nele entrando, possa torna-lo impuro. Ao contrário, o que sai do homem é o que o torna impuro” (Mc 7.14-15). Jesus não está dizendo que, por exemplo, maus pensamentos não são pecados, pois eles são maus; porém, nutrindo maus pensamentos o coração do homem é revelado em suas intenções e pecaminosidade.

Talvez, ao dizer que nutrimos pecados em nosso coração, podemos responder negativamente. Então, ou estamos certos e Jesus errado, ou Jesus está certo e nós errados.

Qual seria sua resposta?

Rev. José Paulo Brocco